16 de ago de 2016

Israel - recrutadores de células terroristas do Hezbollah via Faceboook são presos na Cisjordânia e em Israel, pela Shin Bet

Um perfil do Facebook usado pelo Hezbollah para recrutar novos membros da Cisjordânia e Israel



Times of Israel, 16 de agosto de 2016. 







Nove palestinos detidos por supostamente planejar atentados suicidas e emboscadas sob as ordens de manipuladores do grupo terrorista xiita no Líbano e em Gaza. 

Os serviços de segurança de Israel separaram duas células terroristas que tinham sido criadas pela organização terrorista Hezbollah, prendendo nove supostos membros ao longo dos últimos meses, revelaram as autoridades nessa terça-feira. 

Membros do Hezbollah da Unidade 133 do grupo – sua unidade de operações estrangeira – que trabalha fora do Líbano e da Faixa de Gaza recrutava membros na Cisjordânia, e na Faixa de Gaza e em Israel através do site da mídia social Faceboook, disse o serviço de segurança Shin Bet

As células terroristas haviam planejado realizar atentados suicidas e emboscadas a patrulhas IDF na Cisjordânia. Eles receberam financiamento do Hezbollah, e alguns membros tinham começado a preparar explosivos para uso em ataques, diz o Shin Bet. 

“A organização Hezbollah recentemente fez disso uma prioridade para tentar desencadear atos terroristas, fazendo-os a distância, para tentar não expressar claramente o seu envolvimento”, disse o comunicado do Shin Bet. 



Os operadores terroristas foram presos no início deste verão, mas as informações sobre o caso estão sendo mantidas sob sigilo emitido pelo tribunal. O Shin Bet acredita que sua operação tenha frustrado uma série de ataques terroristas contra alvos israelenses na Cisjordânia e em Israel. 




De acordo com as forças de segurança de Israel, o líder da célula terrorista na Cisjordânia era Mustafa Kamal Hindi, de 18 anos, [o nono] morador de Qalqilya. 

Durante o se interrogatório, Hindi disse aos interrogadores que tinha sido recrutado através de uma página no Facebook, “Palestina Livre”, onde o Hezbollah publicava materiais “anti-Israel e conteúdo pró-Jihad”, disse o Shin Bet. 

Através da página, Hindi estava em contato com um agente do Hezbollah conhecido apenas como “Bilal.” Os dois começaram a falar através do site da mídia social, mas mais tarde mudaram-se para formas criptografadas de comunicação, para evitar a detecção, disse o Shin Bet. 

Segundo as instruções de “Bilal”, Hindi recrutou membros adicionais para a célula terrorista, a fim de realizar um ataque a tiros contra uma patrulha IDF em Qalqilya, disse o serviço de segurança. 

Em junho de 2016, antes que pudessem realizar o alegado ataque, as forças de segurança israelenses prenderam Hindi e os outros membros da célula terrorista: Mhemed Majd, Memed Amin Daoud, Taher Mehmed, Mahmoud Nofal, Islam Liyad, Zahir Abu-Sha’ib, Bara’a lyad e Mahmed Sa’id Hemad. 

Todos residentes de Qalqilya, e supostos terroristas com idades entre 18 a 22 anos. 

Daoud, que também mantem ligações com o grupo terrorista Hamas, é acusado de ajudar Hindi no recrutamento de outros membros, disse o Shin Bet. 

Nofal supostamente comprou material necessário para criar dispositivos explosivos para o grupo, e Hemad ajudou a fabricar. Enquanto isso, Sha’ib recolheu informações sobre as patrulhas IDF na área, a fim de planejar o ataque, disse à agência. 

E também além dos dispositivos explosivos, o grupo também tinha adquirido rifles e iniciou um treinamento para usá-los, de acordo com o Shin Bet. 

Logo após a prisão, há dois meses, a célula foi indiciada por um tribunal militar na Cisjordânia com uma série de acusações, incluindo o planejamento de um ataque terrorista. 

Acredita-se que um operativo do Hezbollah a partir da Faixa de Gaza pode ter recrutado os três homens palestinos da Cisjordânia, com idade variando de 22 a 49 anos, para a realização de ataques a bombas suicidas, disse o Shin Bet. 

Mehmed Fa’iz Abu-Jadian, um morador da Faixa de Gaza e membro da Unidade 133 do Hezbollah, estendeu a mão para Usama Nu’af Sid Najm, um residente de 36 anos de idade de Qabalan, ao sul de Nablus, através do Facebook. 

Depois de fazer o contato inicial através da mídia social, Abu-Jadian foi instruído por Najm a usar um programa de criptografia, a fim de entrar em contato com membros do Hezbollah no Líbano, de acordo com a investigação. 

Najm também concordou em recrutar outras pessoas para participar do Hezbollah e, eventualmente realizar um ataque suicida em um ônibus israelense “em troca de US $ 900”, disse Shin Bet. [Só o suicida não sai ganhando]. 

Najm, junto com um morador da Faixa de Gaza, Louie Taisir Ali Salame, também falou com Yousef Mehmed Yousef Hajajrah, um membro da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), com base na Síria, a fim de formar um ramo da PFLP no norte da Cisjordânia, disse o Shin Bet. 

Em 17 de março, Najm foi preso e indiciado pouco tempo depois por “pertencer a uma organização terrorista, e entrar em contato com o inimigo e importar fundos do inimigo na região”, disse o Shin Bet. 

Um residente dos campos de refugiados de Jenin, Ma’aman Issal Abd al-Rahman Nashrati, de 22 anos, que já havia sido preso por ter participado de tumultos e era suspeito de atirar bombas contra as forças israelenses, também foi recrutado para se juntar à organização terrorista Hezbollah através do Facebook, afirma o serviço de segurança. 

Abu-Jadian foi instruído por Nashrati para comprar um rifle de assalto M-16, a fim de realizar um ataque a tiros contra tropas da IDF na área de Jenin, de acordo com investigadores. 

O operador do Hezbollah baseado em Gaza falou com Nashrati por telefone, bem como através do Facebook e contas de e-mail secretas. E em troca de recrutamento de agentes adicionais e a execução do ataque a tiros, a Nashrati foi “prometido que depois lhe seria pago com NIS 30.000 ($ 8.000)”, disse o Shin Bet. 

Nashrati foi preso em 31 de maio deste ano, e mais tarde foi indiciado em um tribunal militar. 

A partir de Gaza, Abu-Jadian também recrutou Mustafa Ali Mahmoud Basharat, de 49 anos, um residente de Tamun no norte da Cisjordânia e ex-membro da FPLP. 

Semelhantemente aos outros homens, Basharat foi contatado pela primeira vez através da mídia social, antes de passar para e-mails, telefonemas e, finalmente, um programa de comunicação criptografada, disse o Shin Bet. 

Em suas conversas com Abu-jadian e outros membros do Hezbollah, Basharat “expressou a sua disponibilidade para ajudar o Hezbollah de qualquer forma, a realizar ataques terroristas e coletar informações de inteligência de alvos para ataques. Basharat disse a seus manipuladores que tinha 30 anos de experiência na atividade de segurança. E expressou sua vontade de recrutar pessoas para o Hezbollah e até mesmo foi notado o seu interesse em aprender como fazer dispositivos explosivos”, disse o serviço de segurança. 

As forças israelenses prenderam Basharat em 02 de junho, acusando-o de pertencer a uma organização ilegal e detendo uma posição em uma organização ilegal. 

Dentro de Israel, o Shin Bet também detectou várias tentativas do Hezbollah para recrutar agentes entre a população árabe do país através de um perfil no Facebook onde faziam postagens com sentimento anti-Israel e pró-palestinos. 

Em resposta a estas tentativas recentes do Hezbollah para recrutar moradores da Cisjordânia e Israel, o embaixador Danny Danon da ONU pediu à organização internacional para reconhecer formalmente o Hezbollah como um grupo terrorista. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário