11 de ago de 2016

França – governo insta membros do público a acolher refugiados muçulmanos

Refugiados em Paris.


The Local Fr, 11 de agosto de 2016. 



O governo francês pediu aos membros do público para receberem os refugiados em suas casas porque os centros oficiais de asilo não podem mais lidar com a demanda. 

A ministra de habitação francesa Emmanuelle Cosse, instou os membros do público francês a considerar receber refugiados, conforme os abrigos de asilo não podem lidar com o grande número de indivíduos. 

A ministra disse que o governo estaria oferecendo incentivos para as instituições de caridade que pudessem ajudar a configurar situações de habitação entre os refugiados e o público. 


Por abrigar 1.000 pessoas ou mais, o governo estaria disposto a desembolsar € 1.500 por refugiados, por ano, para instituições de caridade com a capacidade para ajudar a encontrar moradia para 50 refugiados ou mais.  

O regime só se aplica a quem já tem o estatuto de refugiado, acrescentou a ministra. 

Claro, isso significa que o público tem que estar pronto para abrir as suas próprias portas para ajudar, com Cosse pedindo o “envolvimento dos cidadãos”.

"Aqueles que visam dar hospedagem devem ser capazes de fornecer uma sala privada e devem se comprometer durante pelo menos cinco meses," disse ela. 

Cosse, foto abaixo, também anunciou planos para criar um espaço com 3.000 leitos adicionais nos centros de acolhimento “antes do final de setembro”, mais do que duplicando o número atual que é de 2.000. 



As camas extras serão fornecidas em cerca de 50 centros em toda a França, disse Cosse ao jornal Le Monde. [Jornal de esquerda]

A França já está enfrentando desafios difíceis com o afluxo de refugiados, cujo número está definido para inchar para 30.000 até 2017, de acordo com as quotas da União Europeia. 

Instituições de caridade que desejam participar no projeto de Cosse devem se apresentar pelo menos até 20 de setembro, em tempo para o lançamento do projeto em outubro. 

O público francês já provo ser um anfitrião disposto [é, estou vendo] quando se trata de acolher refugiados, conforme instituições de caridade, tais como a Singa já em funcionamento ajuda os refugiados a encontrar lares entre os franceses.  

Uma mulher parisiense, que falou ao The Local sob condição e anonimato, disse que a habitação de um refugiado durante cinco meses em seu apartamento de Paris foi “uma experiência verdadeiramente positiva.”

Agora eu tenho um amigo nos fundos com quem eu nunca pensei em me deparar no dia a dia”, disse ela, acrescentando que o trio, muitas vezes compartilha refeições e discussões. 

Isso me deu uma chance de confrontar essa questão quase que diariamente. Eu tenho uma compreensão intima das razões pelas quais ele saiu de seu país, os riscos que teve para chegar à Europa e a determinação que teve para se encaixar e ficar.” [Ênfase minha].




"No entanto, nem sempre foi um mar de rosas," acrescentou. 

A linguagem foi, provavelmente, a maior barreira. Mesmo que ele tivesse aulas de francês três dias por semana, a comunicação nem sempre foi fácil. Às vezes é necessária concentração extra, o que pode ser difícil depois de um longo dia de trabalho”, disse ela. [Claro, infiltração]

A mulher aconselhou outras pessoas a procurar fazer o mesmo, comprometendo-se por um período de tempo e, em seguida, estendendo-o se for necessário. 

Não ser tentados a prometer muito em pouco tempo. É melhor convida-los a ficar mais tempo do que pedir-lhes para sair”, disse ela. 

Ela também sugeriu que a leitura com antecedência sobre o país de origem do refugiado pode definir algumas regras básicas para todos na casa. 

Em geral, eu não diria que a experiência mudou minha vida para sempre, mas certamente foi enriquecedora. Eu faria isso novamente em um piscar de olhos”, disse ela ao The Local. 

Nota do Blog: Cuidado ao piscar, quem sabe se não vai mais conseguir abrir os olhos depois. Na página do Facebook do The Local uma leitora francesa esquerdista perguntou o seguinte - é inacreditável! Vejam:



Nenhum comentário:

Postar um comentário