17 de abr. de 2016

"O Islã não é compatível com a Constituição alemã," diz líder do partido AfD - republicação

Prólogo - republicação. 


Beatrix Von Storch diz algo que é verdadeiro, no entanto, o que ela diz para o que pretende fazer pode tornar sua atuação um tanto controversa. É um fato que a imigração na Alemanha é um problema, assim como para o resto da Europa, mesmo assim, é preciso mais do que isso quando se ocupa um cargo político, e quando se administra a vida e segurança das pessoas. O partido de fato é conservador, e bem distante do esquerdismo, porém, não mostra prudência no que se refere à Política Externa. O partido e sua líder mostra certa simpatia pela Rússia  de Vladimir Putin, e isso é realmente embaraçoso e perigoso. 

O partido de coalizão com quem o AfD se juntou - o UKIP - seu líder é totalmente favorável, não só a uma abertura de mercado com o governo de Moscou, mas também a sua forma de fazer política no exterior, com ameaças e luta armada contra os seus vizinhos. Quando o partido mostra simpatia com o Kremlin, e ainda elogia seu modo de tratar o seus vizinhos, isso é preocupante. O viés econômico não minimiza o fato de que o partido está dando o benefício da duvida a Rússia, enquanto um de seus aliados dá total apoio as políticas externas de Moscou. Von Storch ao não saber disso, ou a ignorar isso, somente prova que não é de fato uma oposição, mas apenas mais uma peça desse sistema de dominação global, assim como os seus homólogos da Frente Nacional (FN), e do Partido Para Independência do Reino Unido (UKIP). 

Beatrix Von Storch




Reuters, 17 de abril de 2016

O partido anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AFD), disse no domingo, por meio de sua porta-voz, que o Islã não é compatível com a Constituição Alemã, e prometeu pressionar pela proibição de minaretes e burcas no seu congresso do partido dentro de duas semanas.

O AfD puniu os “conservadores” democratas “cristãos” da Chanceler Ângela Merkel em três eleições regionais no mês passado, se beneficiando da revolta popular sobre como a Alemanha está lidando com o afluxo de imigrantes, mais de um milhão dos quais chegaram ano passado.

“O Islã é em si mesmo uma ideologia política que não é compatível com a Constituição”, disse a vice-líder do AfD Beatrix Von Storch ao Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung.

“Somos a favor duma proibição de mesquitas em muezzinis e a proibição completa de véus”, acrescentou Storch, que é um membro do Parlamento Europeu.

Conservadores de Merkel também pediram para que seja posto em vigor a proibição de burcas, dizendo que elas servem para cobrir o corpo inteiro de algumas mulheres muçulmanas que não podem aparecer em público sem o uso. Mas eles não disseram que o Islã é incompatível com a Constituição da Alemanha.

O crescimento do AfD coincide com fortes ganhos de outros partidos anti-imigrante europeus incluindo a Frente Nacional da França (FN), que entrou em um consenso centrista em torno do qual os partidos tradicionais têm formado alianças na Alemanha.

No mês passado, o partido ganhou 24% dos votos no estado da Saxônia-Anhalt, superando até mesmo os sociais democratas (SPD), parceiro de coalizão de Merkel em Berlim. A AfD, fundado em 2013, também teve um forte desempenho em dois outros estados.

A ascensão do partido tem sido controverso. O vice-chanceler Sigmar Gabriel, um social democrata, disse que a extrema-direita da Alemanha, liderada pelo partido AfD, está usando uma linguagem semelhante à dos nazistas de Hitler.

Tais acusações não tem perturbado o partido em seu curso anti-imigração.

“O Islã não é uma religião como a católica ou o Cristianismo protestante, mas sim uma ideologia intelectualmente associada com a aquisição do estado”, disse Alexander Gauland, que lidera a AfD em Brandenburg.

“É por isso que a islamização da Alemanha é um perigo”, disse ele ao Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...